1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE
K2_DISPLAYING_ITEMS_BY_TAG itumbiara

Um homem matou um casal e feriu um jovem, na manhã desta terça-feira (17), por acreditar que eles transmitiram Covid-19 ao pai e irmão dele, que morreram vítima da doença, em Itumbiara, no sul de Goiás. O sobrevivente disse ao delegado Felipe Sala, responsável pelo caso, que a família já estava sendo ameaçada pelo suspeito, que atirou pelo menos 19 vezes

 

“O sobrevivente disse à polícia que a família estava sofrendo ameaças de morte, pois era acusada de ter transmitido coronavírus para a família do atirador e que ele estaria ali para vingar a morte do pai e mãe, que foram vítimas da Covid-19”, disse o delegado.
O caso aconteceu em um galpão onde a família trabalhava na cidade. De acordo com o delegado, Flanklaber Silva e Silva, de 40 anos, morreu no local após ser baleado na cabeça e no ombro.

 

A esposa dele, Marilia Silva e Silva, de 37 anos, foi alvejada diversas vezes, sendo que uns dos disparos atingiu o rosto dela. Conforme a corporação, ela foi socorrida com vida, mas morreu a caminho do hospital.

 

O jovem que sobreviveu, de 21 anos, é filho do homem e enteado da mulher que morreram. Conforme a polícia, ele foi atingido com um tiro na perna e levado ao hospital da cidade. O G1 tenta contato com a unidade para verificar o estado de saúde dele.

 

O delegado informou que o suspeito não havia sido localizado e preso até as 17h desta terça-feira. O caso sengue sendo investigado pela corporação.

 

Fonte: G1

K2_PUBLISHED_IN Região

Uma mãe e um padrasto foram presos na manhã desta segunda-feira (3) em Itumbiara, no sul de Goiás, após serem condenados por lesão corporal a uma criança. Na época do crime, que ocorreu em 2014, em Uberlândia, em Minas Gerais, a vítima tinha 1 ano de idade.

 

O G1 não conseguiu localizar as defesas dos presos, pois os nomes deles não foram divulgados pela corporação.

 

Segundo a Polícia Civil de Goiás, os mandados de prisão definitiva foram expedidos pela Justiça de Uberlândia. De acordo com o delegado Irineu Pesarini, os policiais do 1° DP de Itumbiara deram cumprimento nos mandados nesta manhã.

 

“O crime aconteceu em Minas Gerais, lá foi feita a ocorrência, e lá transcorreu até agora, quando saiu a sentença condenatória e nós demos cumprimento, já que os dois estavam residindo aqui em Itumbiara”, disse o delegado.

 

Segundo a Polícia Civil, os presos foram condenados pelo crime de lesão corporal no âmbito doméstico, com a pena de cinco anos e quatro meses, em regime fechado de prisão.

 

“A princípio, o caso foi apurado como estupro, a criança foi levada ao hospital e teria sofrido alguma violência, e agressões, mas o estupro foi desqualificado e eles foram julgados por lesões corporais”, disse.

 

O padrasto foi preso e levado ao presídio da cidade, e a mulher encaminhada ao presídio feminino na cidade de Corumbaíba, no sudeste de Goiás.

 

Fonte: G1 Goiás

K2_PUBLISHED_IN Região

Cerca de 30 pessoas foram flagradas aglomeradas de forma irregular numa lanchonete de Itumbiara, durante uma ação de fiscais de prefeitura e policiais militares contra violações às medidas de prevenção contra o coronavírus, no último final de semana. De acordo com o fiscal de Posturas do município, Celso Prateado, a maioria dos presentes – cerca de 20 – era composta por alunos de medicina de uma faculdade da região.

 

Segundo Prateado, o estabelecimento foi multado no valor de R$ 2,5 mil e fechado pelo período de 5 dias.

 

Na mesma noite, a fiscalização flagrou cerca de 40 pessoas numa zona rural de Itumbiara, conhecida como Prainha Bom Jardim, em uma festa clandestina. De acordo com o relatório da Polícia Miliar, os presentes teriam arrombado o cadeado da porteira de uma fazenda para fazer uma festa com som automotivo. Os indivíduos foram flagrados sem máscara e aglomerados no local. A corporação informou que colheu todos os dados necessários para a investigação e alertou a todos “da possível persecução penal”.

 

Fonte: Mais Goiás

 
K2_PUBLISHED_IN Estado

A Prefeitura de Itumbiara, município a 210 quilômetros de Goiânia, publicou na última terça-feira (9) um novo decreto com restrições para o comércio local, com o objetivo de frear o avanço da segunda onda de contaminação da covid-19. O documento proíbe o consumo de álcool em estabelecimentos comerciais e públicos e também a venda desse tipo de bebida no domingo. Atividades essenciais como supermercados, padarias e açougues podem funcionar das 6h às 20h de segunda a sábado, com horário restrito no domingo.

 

Conforme o decreto de nº 404, que entrou em vigor hoje, 10 de março, entregas em domicílio (delivery) poderão ocorrer de 6h até meia-noite para todos os segmentos, de segunda a domingo. Porém, a venda de bebidas alcoólicas, além de vedada no domingo, também fica proibida de segunda a sábado das 20h às 6h.

 

Atividades religiosas continuam liberadas, de 6h às 20h de segunda a domingo. Porém, deverão respeitar o limite de 30% da capacidade, mantendo o distanciamento de 4 metros por pessoa. As celebrações (cultos, missas e etc.) deverão ter duração de, no máximo, uma hora.

 

Fonte: Mais Goiás

K2_PUBLISHED_IN Região

O socorrista Rodrigo José dos Santos, 38 anos, que trabalha no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), desmaiou no momento em que tomava vacina contra covid-19 na última quarta-feira. Rodrigo, também conhecido como “Cupim”, tem fobia a agulhas. Colegas registraram o momento.

 

A prefeitura de Itumbiara refere-se a Rodrigo como um profissional antigo do Samu e muito dedicado ao trabalho. Diz também que “Cupim” está bem e vai tomar a segunda dose – o que deve acontecer dentro de duas ou três semanas.

 

A assessoria informou ainda que o socorrista não tem dificuldade em aplicar agulha em outras pessoas, só nele mesmo. O Mais Goiás também solicitou um posicionamento oficial sobre o curioso caso e irá atualizar a matéria assim que o tiver.

 

Rodrigo disse que para aqueles que estão na linha de frente, todo cuidado é pouco e, por isso, é importante tomar a vacina. O socorrista afirma ainda que espera que sua atitude sirva de exemplo para outras pessoas encararem suas fobias.

 

Ele também disse que é importante mostrar a atuação dos socorristas do Samu, que muitas vezes são esquecidos. “Também estamos na linha de frente.”

Questionado se volta para segunda dose ele riu, mas disse que sim.

 

Fonte: Mais Goiás

 

K2_PUBLISHED_IN Região
Uma criança de quatro anos morreu após ter a cabeça esmagada, na manhã desta quarta-feira (30), em um acidente em Itumbiara, no sul de Goiás.
 
Gustavo estava na garupa de uma motocicleta, que foi atingida por um caminhão, no cruzamento das ruas Flauzino Domingos da Silva com a Jacinto Brandão, no centro da cidade.
 
Segundo o Corpo de Bombeiros, quem conduzia a moto era a mãe do menino. De acordo com o cabo Fabiano Tizzo, uma equipe da corporação foi chamada ao local e quando chegou, já encontrou a criança sem vida e a condutora com ferimentos pelo corpo. Após atendimento, ela foi levada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o hospital municipal da cidade.
 
"A roda traseira do caminhão passou em cima da moto. A criança teve um poli trauma. Uma fratura no crânio e no tórax. Já a mãe, teve um corte no abdômen, do lado esquerdo. Ela estava consciente e verbalizando", disse.
Ainda segundo Tizzo, o corpo da criança foi levado para o Instituo Médico Legal de Itumbiara (IML). O nome da mãe não foi divulgado pela corporação, por isso, a reportagem não conseguiu apurar o estado de saúde dela junto ao hospital.
 
Fonte: G1
K2_PUBLISHED_IN Região

As Comissões de Meio Ambiente e de Agricultura da Assembleia Legislativa de Goiás promovem audiência pública sobre o Código Florestal, hoje (2), em Itumbiara. As comissões são respectivamente presididas pelos deputados estaduais Wagner Siqueira (PMDB) e Francisco Júnior (PSD).

De acordo com a Assembleia Legislativa, as audiências públicas tem o objetivo de conciliar o setor produtivo e o uso sustentável dos recursos florestais, e ouvir a sociedade e os segmentos organizados a respeito das mudanças no Código Florestal de Goiás (Lei nº 12.596/95), foram realizadas, neste ano, audiências públicas nas cidades de Luziânia, Rio Verde, Itaberaí e Goianésia, sendo Itumbiara o quinto município da lista. No próximo ano, está prevista outra, em Goiânia.

A sessão está marcada para as 8 horas, no Palácio 12 de Outubro, localizado no Paço Municipal. Além dos presidentes das comissões, está confirmada a presença de diversas autoridades do município.

K2_PUBLISHED_IN Estado

A confusão no Campeonato Brasileiro da Série D - a quarta divisão nacional - continua e por conta das liminares. A partida anulada e remarcada para esta quarta-feira entre Anapolina-GO e Tocantinópolis-TO foi embargada. Além disso, através da mesma liminar, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinou ao departamento técnico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que confirme o jogo de volta entre Itumbiara-GO e Villa Nova-MG, pelas oitavas de final.

 

A reviravolta do caso aconteceu na sessão da última segunda. O recurso, interposto pelo Tocantinópolis, foi acatado pelo auditor Flávio Zveiter. Ao mesmo tempo, o Itumbiara pediu ao STJD que fosse remarcado o seu jogo adiado contra o Villa Nova, válido pela rodada de volta das oitavas.

 

A partida havia sido adiada porque o jogo entre Anapolina e Tocantinópolis, que aconteceria nesta quarta, poderia mudar os classificados, inclusive deixando o Itumbiara de fora do mata-mata. No primeiro confronto, em casa, o time goiano venceu os mineiros por 3 a 1. A CBF ainda não divulgou quando será realizada esta nova partida. Já os confrontos das quartas de final já começam no próximo final de semana.

 

Agora caberá aos juristas achar uma solução nos tribunais para a confusão ocorrida na última rodada da fase inicial. Itumbiara e Anapolina brigavam pela vaga no Grupo 5. O Itumbiara perdeu para o Tupi-MG por 1 a 0, em Juiz de Fora (MG), enquanto que a Anapolina vencia o Tocantinópolis por 4 a 1, em Anápolis. Mas faltando 20 minutos para o término do jogo, o time de Tocantins promoveu o famoso "cai-cai". Naquela altura, a Anapolina ainda precisava marcar mais dois gols para se classificar.

 

A alegação da Anapolina era de que o Itumbiara tinha oferecido um prêmio - estimado em R$ 50 mil - para o Tocantinópolis evitar, por bem ou por mal, o resultado que interessava ao rival. No primeiro julgamento no STJD, a Anapolina conseguiu provar a sua tese e anulou o jogo, que seria realizado de novo nesta quarta. Agora, porém, tudo mudou.

K2_PUBLISHED_IN Esportes