1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Em 2018, mais de 90% das cidades do país não contavam com delegacia da mulher

Por Marcelo Justo 27 Setembro 2019 Publicado em Brasil
Votao
(0 votos)
Lido 584 vezes
Imagem ilustrativa Imagem ilustrativa Reprodução

Em 2018, a maioria das cidades brasileiras, ou 91,7%, não contava com uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).


Além disso, em 90,3% dos municípios, não havia, também no ano passado, nenhum tipo de serviço especializado no atendimento a vítima de violência sexual.


A realidade está retratada na Pesquisa de Informações Básicas Municipais e Estaduais, Estadic e Munic, divulgadas nesta quarta-feira (25/09) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Os estudos reúnem informações sobre temas variados como recursos humanos, gestão, educação, cultura, saúde, assistência social, segurança alimentar, trabalho, política para mulheres, migração e enfrentamento ao sub-registro de nascimento.


A gerente da pesquisa, Vânia Maria Pacheco, esclareceu, no entanto, que o baixo número de cidades com Deams não significa que esses locais não disponham de algum outro instrumento de atendimento à mulher.


O número de municípios que possuíam casas-abrigo para mulheres em situação de violência se manteve estável e ainda bem reduzido.


Oscilou de 2,5% em 2013 para 2,4% em 2018. A principal atividade ofertada pelas casas-abrigo foi o atendimento psicológico individual. Dependendo da unidade, as vítimas também receberam apoio jurídico e creches.


O levantamento mostrou que o número de prefeituras que possuem algum órgão dedicado à execução de políticas para mulheres vem diminuindo.


Por outro lado, houve um aumento no número de municípios que possuem um Plano Municipal de Políticas para Mulheres, como destaca a gerente da pesquisa. Em 2013, o documento era adotado por 4,5% das prefeituras do país. No ano passado, esse percentual saltou para 5,3%.


Ainda de acordo com a sondagem do IBGE, assim como nos municípios, os órgãos responsáveis por executar política para mulheres nos estados estão predominantemente subordinados a outra secretaria, na maioria das vezes à pasta dos direitos humanos.


Rádio Eldorado, com informações da Agência Brasil

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2